assistencia   emergencial 

            No imediato pós-crime em janeiro de 2019, a Arquidiocese de Belo Horizonte, na Sede do Vicariato Episcopal para Ação Social e na Igreja Matriz da Paróquia de São Sebastião, recebia em média de 4 a 5 caminhões carregados de donativos, diariamente. Uma das ações mais imediatas foi a organização e a distribuição das doações, com a ajuda de vários voluntários internos e externos. Os atendimentos sociais contavam com o seguinte fluxo: acolhimento, atendimento, preenchimento do cadastro, identificação de demandas, realização de doações, e, uma semana depois, eram realizadas visitas na casa das famílias que tinham recebido as doações para compreender a situação em que essas se encontravam.

         Passados três meses, a partir de abril de 2019, as ações de atendimento, organização e distribuição das doações foram encerradas. Tal fato se deu em função das famílias da cidade começarem a receber o auxílio emergencial financeiro por parte da Vale S.A, responsável pelo rompimento da barragem. Esse auxílio foi determinado pelo juíz da causa, que reconheceu a população de Brumadinho como atingida pelo crime cometido.

           De todo modo, quando a Igreja recebe doações eventualmente (e em menor volume), são realizados encaminhamentos de necessidades básicas, sendo esse tipo de ação um dos eixos de atuação da RENSER na região, seja de forma mais pontual com famílias que necessitam desse apoio, seja no caso de demandas de natureza coletiva, como por exemplo, as comunidades dos Pataxó, quilombolas e acampamentos Pátria Livre e Zequinhas do MST.